Loader Image

NOTÍCIAS

Grupo de Teatro do Curso G9 lança curta com mensagem natalina

O Grupo de Teatro e Dança do Curso G9 proporcionou, aos alunos do 5º ano do Ensino Fundamental I ao Pré-vestibular, momentos de descontração e recarga das energias para a reta final das atividades letivas com a apresentação do curta-metragem “Talvez Ele seja o Messias”.

 

O filme, uma adaptação da obra de Max Lucado, marcou o encerramento do trabalho do grupo em 2020. “Nosso objetivo foi proporcionar um instante de leveza e de reflexão aos alunos, com uma mensagem sobre empatia e amor”, explicou o professor de Teatro e Dança, Luan Fernandes.

 

“Todo o grupo deseja que a mensagem central do curta encontre corações férteis para ela brotar e dar frutos, afinal de contas, o amor ao próximo e o não julgamento das pessoas ão condições necessárias para a nossa vida, não somente no Natal”, destacou.

 

Luan Fernandes lembrou que o Grupo de Teatro e Dança, como as demais atividades letivas do Curso G9, foram adaptadas para as plataformas virtuais desde a suspensão das aulas presenciais, em março. Isso foi necessário diante do necessário isolamento social por causa da Covid-19.

 

Ele conta que foram muitos os desafios que o grupo enfrentou porque as gravações não poderiam ser presenciais. “Vale frisar que cenas nas quais aparecem mais de uma pessoa, são familiares e estão convivendo no mesmo espaço desde o início do isolamento”, ressaltou.

 

Em setembro, alunos da Oficina de Teatro tiveram a oportunidade de apresentar a comédia “Não Toque”, também às turmas do Ensino Fundamental II, Ensino Médio e Pré-vestibular. Confira aqui os vídeos produzidos pela trupe neste ano.

  

EXPERIÊNCIA MARCANTE

“Para mim, participar desse curta-metragem foi uma experiência ótima. No total, foram mais de cinco horas de gravação, mas foi gratificante ver que todo o esforço resultou em um material incrível, e que serviu de ensinamento para várias pessoas”, disse a aluna Mariane Marques Marcondes, do 7º ano do Ensino Fundamental II (Turma F72). “Ficou tudo perfeito, todos os atores fizeram um ótimo trabalho. Espero que mais projetos assim estejam esperando por nós, no próximo ano”, completou.

 

Para Gabriele dos Santos Ribeiro, do 6º ano (Turma F61), mais uma vez “foi incrível participar do teatro”. “A parte de gravação das cenas, mesmo que sozinhos, sempre é a mais divertida. Simplesmente amei o resultado do curta-metragem. Quando o professor nos explicou não achei que fosse ficar tão bom e tão profissional”, disse.

 

Opinião semelhante tem Maria Júlia Monti Bustamante, do 7º ano (Turma F71). “Foi uma experiência maravilhosa. Admito que, no início, não achei que iria ficar tão bom quanto ficou, imaginei algo menor. Quando assisti, fiquei assustada com a qualidade do vídeo e como meus colegas foram bem”.

 

“Adorei participar desse curta, ainda que tenha demandado muito tempo, trabalho e dedicação; isso é o que nos faz ser melhores no que fazemos. A sensação de ver o resultado de tudo aquilo que fizemos e aprendemos é muito gratificante. O curta ficou muito bom, os editores, os atores, o Luan, a coordenação, todos, fizeram um ótimo trabalho. Continuaremos a nos esforçar para que os próximos trabalhos sejam ainda melhores que esse”, disse Yarah Dias da Silva Lucas, do 6º ano (Turma F62).

 

CRÉDITOS

Direção e Preparação de Elenco: Luan Fernandes. Elenco: Fabiano Júnior, Gabriele Ribeiro, Giovanna Totti, Inayá Ahau, Júlia Monti, Mariane Marques, Yarah Dias. Figuração: Ana Lívia Monti, André Totti e Rosimeire Oliveira. Edição: Produtora No Set. Direção de Fotografia: Luan Fernandes. Direção de Arte: Produtora No Set. Edição e Finalização: Alexandre Lopes. Produção: Curso G9. Trilha Sonora: Cold (Jorge Mendéz), Nuvole Bianche (Ludovico Einaudi) e More Than a Feeling (Midtown Stories). Texto: Max Lucado. Roteiro: Luan Fernandes

 

Leia Mais
...
04 de dezembro de 2020

Grupo de Teatro do Curso G9 lança curta com mensagem natalina

Ensino Médio cria áudio série sobre livro “Quarto de Despejo”

Alunos da 2ª série do Ensino Médio do Curso G9 deram voz à narrativa, crua e demasiadamente humana, do livro “Quarto de Despejo”, de Carolina Maria de Jesus, por meio de uma áudio série que pode ser acessada pelas plataformas digitais Spotify e Anchor.

 

A atividade é fruto do trabalho interdisciplinar da área de Linguagens, que envolve as disciplinas de Arte (Anabel Faria), Redação (João Sita), Espanhol (Eloiza Nunes Montanari), Inglês (Patrícia Magalhães), Literatura (Regiane Ramos) e Oficina de Teatro e Dança (Luan Fernandes).

 

A obra conta a história de uma catadora de materiais recicláveis que viveu na favela do Canindé, localizada na capital paulista. O livro é formado por 20 diários escritos pela autora entre os anos de 1955 e 1960 e expõe, de maneira crua e real, a desigualdade social que ainda perdura no Brasil.

 

PROCESSO CRIATIVO

“Começamos o trabalho logo no início do ano letivo, mas a suspensão das aulas presenciais fez com que o grupo reavaliasse o projeto e o adaptasse à nova realidade virtual”, explicou o professor de Teatro e Dança, Luan Fernandes. “Foi um grande desafio porque tivemos que reestruturar o roteiro teatral, que seria feito presencialmente, em forma de roteiro cinematográfico. Conversamos muito com os alunos sobre a estruturação básica por meio de modelo e explicações e, como sempre, eles surpreenderam a todos, tamanho profissionalismo e excelência do trabalho realizado”, completou.

 

De acordo com Luan Fernandes, a ideia original era realizar uma peça teatral a partir do livro de Carolina de Jesus. Com a pandemia, o grupo de professores se reuniu e decidiu pela criação da áudio série e de e-book. Para viabilizar o projeto, contaram com o apoio de Hernani Camargo, do Laboratório de Tecnologia da Informação (LTI) do Curso G9.

 

Foi Hernani Camargo quem apresentou ao grupo o aplicativo Anchor que, ao postar nele, automaticamente os áudios seriam encaminhamos para as maiores plataformas como: Spotify, Google Podcasts, Deezer, Breaker e Radio Public.

 

TRABALHO INOVADOR

Para a aluna Lethicia Monteiro, da 2ª série (Turma M22), a áudio série foi “um trabalho inovador e que exigiu muita criatividade” de todos os envolvidos no projeto. “Foi o caminho que tivemos para adaptar o teatro em tempos de pandemia. Para mim, foi muito interessante aprender a elaborar um roteiro, trabalhar com editores de áudio e coordenar o elenco. No final, mesmo com o estresse de ter um prazo muito curto para entregar o projeto, foi uma experiência incrível e que resultou em trabalhos magníficos, dos quais podemos nos orgulhar”, ressaltou.

 

“Adorei fazer parte do projeto. Tenho muita vontade de trabalhar com comunicação, então, desde a produção do roteiro até a finalização das edições, foi uma experiência incrível. Consegui aprender sobre edição e roteiro cinematográfico, que tinha muita curiosidade de saber como era. Pensar nas vozes e escolher o elenco, com certeza, foi a parte mais divertida”, disse Ana Lívia Santos Franqueira, da Turma M22

 

Clara Duarte, também aluna da Turma M22, disse que a experiência de fazer a áudio série “foi bem cansativa, mas nos fez aprender a trabalhar com vários aplicativos que foram necessários para transformar e editar áudios, resultando em um trabalho bem legal e diferente”.

 

Para ouvir a áudio série no Spotify, clique aqui.

 

Leia Mais
...
25 de novembro de 2020

Ensino Médio cria áudio série sobre livro “Quarto de Despejo”

Oficina de Teatro reflete sobre pandemia em vídeo de comédia

Alunos da Oficina de Teatro do Curso G9 tiveram a oportunidade de apresentaram, em 30 de setembro, aos estudantes do Ensino Médio e do Pré-vestibular, vídeo realizado sobre a supervisão do professor Luan Fernandes. A comédia, denominada “Não Toque”, também foi veiculada às turmas do Ensino Fundamental II em 2 de outubro.

 

“Aproveitamos o belo trabalho realizado pela oficina para abrir o projeto ‘Saúde Mental na Pandemia’, composto também por uma roda de conversa sobre essa temática”, explica a coordenadora pedagógica do Ensino Médio e Pré-vestibular, Marcia Gil de Souza. Ela se refere aos encontros que serão realizados às turmas do segmento, nos dias 1º e 2 de outubro, com mediação do professor Rangel Willians Batista.

 

Para o professor Luan Fernandes, responsável pela Oficina de Teatro e pela finalização do vídeo, a discussão da ideia, do roteiro e da produção envolveu os alunos durante as aulas síncronas (online).  Os encontros virtuais aconteceram por meio do Meet, uma das plataformas da Google for Education, usada pelo colégio desde o início das aulas remotas.

 

“Após três encontros, a história foi performada e cada aluno gravou seus vídeos e me encaminhou para edição e finalização”, explica. “Vale frisar que nem todos os alunos estão em Itajubá e, mesmo assim, conseguiram participar do trabalho – essa é uma das vantagens das ferramentas digitais”, completa.

 

OFICINA DE TEATRO

A Oficina de Teatro é realizada semanalmente, em um trabalho conjunto com a Oficina de Dança. Nela, os alunos são estimulados a compreender essa linguagem para usá-la em trabalhos em sala de aula e nas apresentações de outros projetos institucionais, como Feira do Conhecimento, Gincana e Noite Cultural.

 

No vídeo “Não Toque”, houve a participação de nove alunos do Ensino Fundamental II e Ensino Médio. São eles: Gabriele dos Santos Ribeiro (Turma F61), Yarah Dias da Silva Lucas (F62), Maria Júlia Monti Bustamante (F71), Mariane Marques Marcondes (F72), Giovanna Faria Totti (F72), Fabiano da Silva Oliveira Junior (F91), Manuela Vilas Bôas e Silva (F92), Ana Beatriz Gonçalves (M11) e Inayá Ahau Tatamiya Medeiros (M22).

 

SINOPSE

A história do gênero comédia, sendo adaptada para um contexto de Teatro Mudo, buscou narrar duas grandes atitudes necessárias ao ser humano. Logo no início, nos deparamos com os personagens compartilhando seus alimentos, mostrando a importância de ser empático, principalmente no momento que estamos vivendo.

 

No decorrer da história, conhecemos uma televisão mágica, que sempre tem em sua tela a mensagem: “Não toque no controle”, porém, todo mundo acaba se mostrando desobediente e teimoso, vindo a tocar no controle, o que leva os personagens a serem presos dentro da TV.

 

Durante toda a peça fica a tentativa de encontrar um coração realmente puro e bondoso capaz de libertar a todos simplesmente por não ceder à tentação de tocar no controle.

 

“A peça, além de sua mensagem principal ser alicerçada nestas duas atitudes importantes – empatia e obediência –, tem uma mensagem mais abrangente, uma crítica a este momento tão virtual que estamos vivendo, em que todos anseiam por ser libertados o mais breve possível, mostrando que acreditar que tudo vai passar é uma atitude que pode transformar essa situação”, destaca Luan Fernandes.

Leia Mais
...
30 de setembro de 2020

Oficina de Teatro reflete sobre pandemia em vídeo de comédia

TOPO